Não sei. Vender poemas me lembra
o açougue do seu Onofre,
ele sempre sorri simpaticíssimo
com as mãos embebidas em sangue.


Nenhum comentário:

Postar um comentário